Estância Menina



Categoria: Poesias
Publicado em 20/09/2006 15h00

Estância Menina

Camila Magalhães dos Santos

Concurso de Poesias do CTG Estância Gaúcha do Planalto - 2006

 

 

Teimosa nascia
tão linda altaneira
rebento atávico
Um pouco estrangeira
que surgiu de um sonho
nascido de alguns

 

Vaidosa crescia
mostrando sua face
trazendo no sangue
a herança da raça
de um povo que leva
a querência aonde vai

 

Crescia com nome
com genealogia
com datas festivas
com benções  crescia
mantendo a humildade
que só os grandes têm

 

Estância Menina!
tão cheia de graça
apesar de pequena
mirava faceira
o espelho das águas
do Lago Paranoá .

 

Menina bondosa
de tão grande alma
em ti o gaúcho
encontrava aconchego 
a saudade saciava
na cuia do mate
e  a alma aquecia
no fogo de chão...

 

Tão jovem vencia
tortuosos caminhos
rompendo barreiras
sofrendo influências
também deste chão
guardando valores
que são transmitidos
no aperto de mão

 

Um dia, faz tempo,
cruzou a porteira
provando a todos
que podia ser mais
no som retumbante
dos passos da chula
no doce sussurro
que nasce dos pés

 

Com pilcha de gala
embalada em lirismo
dançou, a menina,
qual lua faceira
brilhando e mostrando
as faces que tem.

 

Foi tudo num dia
de criança a chirua
cantou a cantiga
há muito esquecida
descobriu que há
sempre
um momento na vida
para eternizar...

 

E cantaram todos
a mesma cantiga
e todos rezaram
a mesma oração
e vibraram todos
com o grito de guerra
que fala da força
que tem nossa união

 

Nas noites festivas
de luzes e cores
por outros valores
ativa o andante
que encontra razão
para sempre voltar...

 

E ao celebrar teu aniversário
com música e flores
te vemos graciosa
dançando, cantando
dizendo um poema
falando de amor.

 

E todos os teus filhos
alguns adotivos,
teus filhos também
descobrem agora
que cresceste  menina
porque só os grandes
porque só os fortes
e só os poetas
aprendem a amar.