Estância Gaúcha - Maria Beatriz Magalhães dos Santos



Categoria: Poesias
Publicado em 24/10/2012 15h00

Estância Gaúcha - Maria Beatriz Magalhães dos Santos

Concurso de Poesias do CTG Estância Gaúcha do Planalto - 2006

Estância Gaúcha do Planalto

Estância Gaúcha

Maria Beatriz Magalhães dos Santos

 

Foi em 20 de setembro
prenúncio de primavera
bem no meio do cerrado
nascia uma flor singela
era a Estância Gaúcha
plantada aqui neste chão
já trazia em sua essência
o cheiro bom da querência
e o gosto da tradição


Regada com muito suor
de gente que trás na alma
a inquietude que é sempre
o princípio da criação
cravou firme suas raízes
provou da terra também
em meio a tantas culturas
gerando sementes puras
das origens de onde vem


É  assim a Estância Gaúcha
mistura de todos nós
tem gente de outros estados
também longe se seus pagos
que aqui vem com sua saudade
pra nos fazer um costado
e entregar como um regalo
um mimo em forma de pealo
que é esse amor contrabandeado


Na indolência das tardes
nas bailantas domingueiras
os sorrisos correm fáceis
o abraço é mais fraterno
é gente de todo lado
numa grande integração
falando o mesmo dialeto
o Rio Grande fica perto
quando abrimos o coração.


Nas noites de lua cheia
quando o céu é mais campeiro
a peonada se entrevera
na dança, canto e poesia
numa tertúlia bonita
ao redor do fogo de chão
uma grande paz se expande
é o patrão da estância grande
que vem visitar o galpão


E aqui vem o gaúcho
seguindo rastros de sonhos
que sempre habitam os galpões
e nessas horas compridas
em meio aos desassossegos
até a alma cria asas
seguindo estrada afora
ameaça ir embora
quando a saudade vem “pras casa”


E nas mudanças de rumo
quando as vaidades se acendem
devemos ter a grandeza
de não acirrar a charla
e entregar esse tesouro
nas mãos do novo patrão
antes do acerto dos cobres
o patrimônio mais nobre
que é o respeito à tradição


Dança Estância Gaúcha
não tens vestidos de chita
mas tens as prendas mais bonitas
que encantam com os sarandeios
canta Estância Gaúcha
queremos ouvir tua voz!
que a chama que apaga agora
reacenda na mesma hora
na alma de todos nós.